De Fernando Boeger Tezza, Universität Duisburg-Essen – Alemanha

Há algum tempo atrás, com mais exatidão no segundo semestre de 2012, tive a oportunidade de conquistar a Bolsa Prome, para estudar na Alemanha, com o intuito de ingresso no curso de Engenharia Mecânica na Universidade de Duisurg – Essen. Naquela época estava na terceira fase do curso de Engenharia de Petróleo, com 18 anos de idade, e desde o momento da inscrição tinha minhas duvidas e medos de enfrentar um intercâmbio para uma universidade no exterior. Contudo, sabia que tal era de extrema importância, não somente na minha formação acadêmica, mas também no meu desenvolvimento como pessoa e como cidadão.

Dentro do intervalo que morei na Europa, as mudanças e o amadurecimento foram visíveis, e muitas vezes sentidas, nas diferenças culturais que cada país possui e nos é capaz de imprimir. Cada local com um diferente ar e toda sorte de características a serem descobertas. Foram experiências que somente vividas podem ser eternamente relembradas.

Obviamente nem todas as experiências foram flores, sendo um dos principais problemas e desafios, a difícil língua alemã. Infelizmente não consegui aprender o idioma na plenitude, contudo este não foi, e não é problema para um país onde o inglês é bem aceito como um “segundo idioma” de caráter internacional.

Sou muito agradecido a Udesc por ter o Prome como programa de intercâmbio para acesso a universidades no exterior, e ao Cesfi por todo o suporte que me deu desde o processo de inscrição até o embarque. Sem duvida um intercâmbio é uma peça fundamental na formação e no desenvolvimento profissional e pessoal, trazendo novos vieses e mudanças extraordinárias na vida de um indivíduo. Espero que meu relato sirva não somente para registro, mas principalmente que motive outros colegas a pleitearem esta oportunidade única concedida pelo Prome, projeto que poucas universidades públicas desenvolvem em nosso país. Por fim, nunca é demais afirmar: sou Udesc com orgulho!

1

2

5

 

 

 

 

5

3

8

 

 

 

 

4

7

 

 

 

 

9

Fernando Boeger Tezza é acadêmico do curso de Engenharia de Petróleo da Udesc e participou de intercâmbio PROME na Universität Duisburg-Essen, Duisburg, Nordrhein-Westfalen, Alemanha.

De Thaísa Triches Gregolon, Universidad de Almería – Espanha

Morar em outro país é muito além de aprender um novo idioma, conhecer novos lugares e se adaptar a outras culturas. A viagem é interna, é introspecção, é autoconhecimento. É lidar com as diferenças e ainda assim, respeitar os próprios limites e, principalmente, o dos outros.

Para quem leu Into the wild, do Jon Krakauer, na carta de McCandless para Ron, ele escreve mais ou menos assim… “a coisa mais essencial do espírito vivo de um homem é sua paixão pela aventura. A alegria da vida vem de nossos encontros com novas experiências e, por tanto, não há alegria maior que ter um horizonte sempre cambiante, cada dia com um novo e diferente Sol.”

Intercâmbio é aprender a dar valor ao que nos enraíza e, ao mesmo tempo, ao que nos acolhe. A passagem é só de ida e a mudança é eterna.

1 4 2

 

 

3 5 6

 

 

 

Thaísa Triches Gregolon é acadêmica do curso de Administração Pública da Udesc e está em intercâmbio PIMA na Universidad de Almería em Almería, Andalucía, Espanha.